O Futebol é a Política

João Havelange, ex-presidente da Fifa que tornou futebol negócio de bilhões  | Acervo
Emilio Garrastazu Medici e João Havelange com a Taça Jules Rimet do Tri

O que você vai ler abaixo são fatos. Quase zero opinião, apenas fatos.

Se trata de um documento que compila de forma resumida perfis dos Presidentes da CBD – Confederação Brasileira de Desportos – e da CBF – Confederação Brasileira de Futebol – adicionando breves relações deles com a Política, com a burguesia e/ou com a corrupção.

Compartilhe com aquele seu amigo que acha que Futebol e Política não se discutem ou que são coisas que não se misturam.

Ele vai gostar.

—–

ARNALDO GUINLE: Foi presidente da CBD durante os anos de 1916 e 1920.
Foi um dos grandes nomes da Burguesia Carioca na época, com muita influência na política da cidade.

Foi presidente do Fluminense e um dos responsáveis pela construção do estádio das laranjeiras, onde a Seleção fez o seu primeiro jogo.

—–

JOSÉ EDUARDO MACEDO SOARES: Foi presidente da CBD entre os anos de 1921 e 1922. Senador no Rio de Janeiro. Aceitou a ordem de Epitácio Pessoa, Presidente do Brasil na época, de convocar apenas jogadores brancos para o Sul-Americano de 1921.

—–

RENATO PACHECO: Foi presidente da CBD entre os anos de 1927 e 1933.
Formou uma comissão técnica apenas com cariocas para o Mundial de 1930 no Uruguai, o que revoltou os clubes paulistas que decidiram não fornecer nenhum jogador para o torneio.

Foi responsável por mais um caso de Racismo na Seleção ao ser contra a convocação de Leônidas da Silva e de outros jogadores pretos para um amistoso contra o Uruguai por achar que estes jogadores “dessem algum vexame em terras estrangeiras”

—–

RIVADÁVIA CORRÊA MEYER: Foi presidente da CBD entre os anos de 1943 e 1955.
Ele foi um dos responsáveis por tirar a Seleção Brasileira da concentração na Casa dos Arcos e levá-los ao São Januário a pedido de Políticos que gostariam de desfrutar do momento com os atletas por pura e simples promoção política.

—–

JOÃO HAVELANGE: Foi presidente da CBD entre os anos de 1958 e 1975.
Amigo íntimo de todos os nomes do alto escalão da Ditadura Militar no Brasil, como Arthur Costa e Silva e Garrastazu Médici. Teve apoio financeiro e de relações dos Governos Militares do país para se candidatar a presidente da FIFA.

Ficarei apenas com este breve relado sobre Havelange. Ele merece (ou não) um texto apenas para ele quando o assunto é envolvimento político.

—–

HELENO DE BARROS NUNES: Foi presidente da CBD entre os anos de 1975 e 1979, período em que também era Presidente do Partido Político ARENA. Assumiu o cargo como uma forma de silenciar o irmão Adalberto de Barros Nunes – almirante da Marinha Brasileira que estava presente na reunião que instituiu o AI-5 – e que na época se opunha de maneira firme contra os altos gastos da Confederação.

Ficou conhecido por preencher todos os cargos da CBD com militares: Coronel Tinoco Marques tornou-se chefe de delegação, o tenente Osvaldo Costa Lobo assumiu a vaga de assessor da Seleção e o Major Kléber Camerino tornou-se Secretário da delegação.

Foi na sua presidência que o atacante Reinaldo recebeu a “sugestão” de não comemorar com o punho cerrado caso fizesse gols na Copa do Mundo. Reinaldo desobedeceu a ordem no jogo contra a Suécia e depois disso teve poucas chances no time.

E claro, ficou famoso por rechear o Campeonato Brasileiro com quase 100 times, o que lhe rendeu a famosa frase “Onde a ARENA vai mal, mais um no Nacional”.

GIULITE COUTINHO: Foi presidente dos primeiros anos de CBF, entre 1979 e 1986.
Não tinha relações diretas com a Ditadura.

Ficou conhecido por iniciar uma gestão mais “empreendedora” na CBF e por ser oposição a João Havelange e sua turma.

Foi na sua administração que o Brasil tentou adicionar um ramo de café no Escudo da Seleção, algo que foi rapidamente rejeitado por ser considerado como uma publicidade do Instituto Brasileiro do Café.

—–

OCTÁVIO PINTO GUIMARÃES: Foi presidente da CBF entre os anos de 1986 e 1989.
Eleito numa manobra política de Nabi Abi Chedid, que imaginava que com isso poderia controlar a CBF. O que se viu foi Octávio trainindo Nabi e seguindo como presidente de forma solitária, vendo a Confederação ruir aos poucos.

Foi através dele que veio o anúncio de que a CBF não teria condições de organizar o Campeonato Brasileiro de 1987, decisão que errou a criação do Clube dos 13 e da Copa União.

—–

RICARDO TEIXEIRA: Foi presidente da CBF entre os anos de 1989 e 2012.
Genro de João Havelange, rei do Nepotismo e da escancarada politização das Federações Estaduais.

Fez tanta coisa errada que conseguiu com que houvesse uma CPI para investigar o seu mandato e provou ter tanto poder que conseguiu interromper uma CPMI para investigaria a parceria Corinthians/MSI por medo que que a Comissão Parlamentar interferisse na escolha da sede para a Copa do Mundo de 2014.

Renunciou do cargo de Presidente da CBF em 2012 e em 2019 foi banido do futebol profissional após investigações de corrupção na FIFA.

JOSÉ MARIA MARIN: Foi presidente da CBF entre os anos de 2012 e 2015, assumindo por ser o sucessor direto de Teixeira, afastado pelo cargo.

No auge da Ditadura Militar foi mais um dos filiados a ARENA – o partido político da Ditadura Militar nos anos 60 e 70. Neste período era visto pela cidade de São Paulo com Sérgio Fleury o “Príncipe da Dor”, responsável por inquéritos e que operava uma rede de cativeiros onde presos políticos eram torturados dias a fio.

Foi, junto de Wadih Helu – ex-presidente do Corinthians, um dos vereadores que numa assembleia em 1975 questionaram a falta de cobertura do jornalismo da TV Cultura, na época liderado por Wladimir Herzog, em obras feitas pelo governo. Atitude que foi considerada como uma luz verde para Sergio Fleury e sua turma assassinarem o jornalista.

Foi preso na Suíça em investigação de corrupção na FIFA junto de seis outros executivos em maio de 2015.

MARCO POLO DEL NERO: Foi presidente da CBF entre os anos de 2015 e 2017.
Outro filhote do Partido ARENA. Marco Polo era militante do partido e fez diversos discursos para apoiadores que também incentivaram a morte de Herzog.

Comandou uma facção de extrema direita dentro da Universidade Mackenzie que, de acordo com seu depoimento a Polícia Federal em 2012 era um grupo que lutava pela democracia.
Ou seja, mentiu.

Em dezembro de 2017 foi banido das atividades relacionadas ao futebol pelo Comitê de Ética da FIFA.

ANTÔNO CARLOS NUNES: Foi presidente da CBF entre 2017 e 2019, substituindo Del Nero afastado por corrupção e acaba de assumir depois do afastamento de Rogério Caboclo.

Foi coronel da Aeronáutica e Comandante da Polícia Militar do Pará. Home de confiança da Ditadura, recebe um gordo salário como anistiado por ser “vítima de ato de execução de motivação pública”.

Coronel Nunes decidiu não seguir as ordens dos seus patrões e votou errado na escolha da sede para a Copa do Mundo de 2026. Decidiu votar em Marrocos ao invés de escolher a chapa feita por Canadá, Estados Unidos e México. Decidiu votar em Marrocos pois os outros países já haviam sediado uma Copa do Mundo.

ROGÉRIO CABLOCO: Presidente afastado da CBF. Está no cargo desde 2019.

Assim como Havelange, se agarrou num governo liderado por Militares, mas nem de longe tem o poder de manipulação e a rede de influências do “Homem que nunca Transpira” como disse uma vez Galvão Bueno.

No desespero por perder o controle do cargo, decidiu trazer a Copa América para o Brasil junto do atual Presidente Jair Bolsonaro e assim se manter como Presidente.

Em paralelo a esta parceria nebulosa o nojento escândalo de assédio veio à tona e com isso foi forçado a pedir licença de 30 dias do cargo.

Um comentário em “O Futebol é a Política

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: